Informações Tecnicas

Princípio de funcionamento

Todos as chaves acionadas por cabo steute possuem monitoramento de ruptura de cabo. Durante a montagem, o cabo deve ser instalado com uma certa força de pré-tensão. O valor da força de pré-tensionamento é diferente para os vários dispositivos. O valor correspondente pode ser encontrado na folha de dados da chave de emergência. Se a instalação não estiver correta, a chave de emergência acioanda por cabo não pode ser operada, por exemplo, o desbloqueio não será possível. A função de é desencadeada pela tração vertical do cabo. A força de atuação depende exclusivamente da taxa de distensão da mola de reposição. É feita uma distinção entre as chaves de emergência acionadas por cabo com operação unilateral e com operção bilateral, veja os desenhos abaixo. As chaves de parada de emergência com operação bilateral devem sempre ser equipadas com duas molas de compensação. De acordo com a EN 60947-5-5, os valores máximos da força de atuação F = 200 N e o curso de atuação s = 400 mm não devem ser excedidos quando a chave de emergência acionada por cabo é acionada perpendicularmente ao cabo. Além deste requisito, o cabo de tração deve resistir à força de tração vertical dez vezes necessária para produzir o sinal de EMERGÊNCIA.

Comprimento máximo do cabo

O comprimento máximo do cabo é limitado por duas condições básicas. Por um lado, pelas distâncias de operação máximas admissíveis s de 400 mm e, em segundo lugar, pelas mudanças de dilatação no comprimento do cabo à temperatura ambiente flutuante, o que não deve levar à atuação não intencional do interruptor. Uma vez que a primeira condição de limite requer o mínimo possível e a segunda requer a maior elasticidade possível do sistema, esses sistemas devem ser otimizados em relação a ambas as condições básicas em função das condições de operação. Além disso, é necessário verificar se a força de atuação F de 200 N é mantida.

Distancia de atuação / Distancia do suporte de cabo

Aplicação das molas de compensação / limitação de curso

As molas de compensação são usadas para compensar mudanças de dilatação térmica no comprimento do cabo e, portanto, permitir cabos com maiores comprimentos. Em geral:

  • As molas de compensação macias com uma pequena taxa de distensão podem compensar grandes mudanças de comprimento por dilatação.
  • No caso do acionamento do cabo, no entanto, as molas de compensação macias possuem um comportamento de alongamento e, portanto, conduzem a uma distância de operação máxima de s = 400 mm mais rapidamente. O comportamento de expansão limita assim o comprimento máximo do cabo a uma temperatura constante ou à faixa de temperatura com um comprimento de cabo constante.
  • O dimensionamento da mola de compensação é determinado pela mola de reposição dos interruptores (altura da força de pré-tensão e da taxa de distensão da mola de retorno), o comprimento do cabo (comprimento e elasticidade do cabo) e a distância de acionamento máxima de s = 400 mm.
  • Para a atuação de bilateral, uma mola de compensação com limitador de curso, veja o desenho no lado esquerdo, deve ser fornecida para evitar o excesso de estiramento da mola de tensão.
  • Antes da instalação do cabo, o revestimento de PVC vermelho deve ser removido na área de aperto!

Uma sobrecarga da mola de compensação é geralmente impedida por uma limitação de curso. Na prática, são aplicadas limitações de curso adicionais ou são utilizadas molas de compensação auto-protetoras. Os limites de tração adicionais sob a forma de cabos de segurança são críticas quando o comprimento relevante da limite de curso é definido, mas tem uma clara vantagem em custo em comparação com as molas de compensação.

Montagem com operação unilateral

Mola de compensação com limitação de curso

Montagem com operação bilateral

Distancia do suporte do cabo

O curso de atuação perpendicular ao cabo exigido para a atuação resulta da soma das saídas da chave, do cabo de tração e da mola de compensação, bem como da distância entre o suporte de cabos x [m]. Ou seja, quando o cabo é acionado, é necessária uma maior distância de atuação com uma maior distância do suporte do cabo para conseguir o mesmo curso de chaveamentoo. Se uma faixa de temperatura mais elevada for direcionada ao comprimento constante do cabo, a distância do suporte do cabo deve ser reduzida em conformidade para garantir uma troca segura.

Tipo de cabo

O comportamento de alongamento de um cabo de acionamento é determinado pelo tipo de cabo. Além das tensões elásticas, as extensões de cabo permanentes também podem ocorrer após o acionamento do cabo. Maiores forças de pretensão podem levar a processos de relaxamento (perdas de pré-carga temporal). A dispersão no processo de fabricação também tem efeito sobre o comportamento de alongamento.

É, portanto, fortemente recomendado usar pelo menos para cabos com grandes comprimentos, os cabos de aço da steute. Estes são significativamente mais difíceis e, portanto, projetados e otimizados para esta aplicação.

Os cabos de outros fabricantes são muitas vezes alongados devido às caracteristicas do núcleo plástico (relaxamento). Em qualquer caso, é necessário verificar regularmente a tensão do cabo e, se necessário, retensioná-lo. As instruções de segurança correspondentes nas instruções de montagem e o uso padrão de um bloqueio de tensão são os pré-requisitos para um funcionamento seguro.

Outros exemplos de variações de molas de compensação

Notas de montagem

  • Uma vez que o cabo pode sofrer deformação durante o acionamento, o cabo deve ser puxado fortemente várias vezes durante a montagem.
  • Em seguida, o cabo deve ser tensionado com o grampo, através do parafuso olhal ou tensionador.
  • Para garantir um funcionamento seguro, siga sempre as instruções de instalação contidas no fornecimento.
  • De acordo com a EN ISO 13850, as polias só podem ser montadas de forma a que todo comprimento do cabo fique visível.

Deformação do cabo